12 de out de 2009

Quem de dera poder guardar meu coração num peixe, e manda-lo nadas nas aguas mais profundas, onde nem a sol chega.

E guardaria então a mente num pássaro, para poder voar tão alto, que nem os olhos mais afiados poderiam me ver, mas eu, de cima, veria a tudo.

Guardaria então todo meu desejo numa tartaruga, aprisionaria tudo o que não controlo numa casca dura, e a tartaruga viveria cem anos na ilha mais distante e isolada.

------------------------------------------------------------------------------------------------

ainda não sei bem se é isso, acho que não... ainda é uma verborragia emotiva desorganizada e um pouquinho amargurada...

Nenhum comentário: