29 de out de 2008

olho


qual a razão de minha palavras mentirem até quando falo a verdade?

tem razão?

peso

meus olhos pesam pela noite mal dormida
minhas pernas pesam de cansadas
meus ombros pesam pelo peso que carregam
meu coração pesa carregado de angústia
minha alma pesa carregada de palavras que não acham o caminho da boca


;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;

restou pouco, tão pouco.
das noites em claro, restou pouco
das manhãs tão longas, restou pouco

e mais uma vez, a saudade do que não foi
é só o que resta

°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°

26 de out de 2008

o vento só venta por não saber chover
eu vento, pois sou vento.
mas como queria chover!

23 de out de 2008

Tapa de saudade

um dia
um dia bem longo
dois perdidos numa cidade
uma cidade grande

um dia
não mais do que um dia
que durou para muito além da noite
um dia grande

Dois anos
tão curtos mas tão grandes
dois perdidos em duas cidades
Dois anos tão grandes

22 de out de 2008

S

Saudades, silêncio, sabiá, sozinho...

quantos "S's" nesse blog, não? temas recorrentes...

saudades de quando sozinho, o sabiá rompeu o silêncio.

45

fica.
só mais um pouco..
só até eu dormir...
fica! por favor...

-fico

21 de out de 2008

modelo vivo

secos "toc's" que lápis se tocando dendro do estojo
ríspidos "riscs" do grafite que risca o papel
"nhécs" e Clécs" que cadeiras e do assoalho
nudez
desenhos

18 de out de 2008

Samba

violão
pandeiro
tamborin na marcação e o reco-reco
meu samba!
viva meu samba brasileiro
porque tem
teleco-teco!


Seu Zé Domingos


( homenagem ao retorno de uma amiga querida que passou um tempo longe)

16 de out de 2008

sinto.

sinto-me silencioso
ligeiramente vazio de palavras.
como quem de tanto tempo sem comer, perde a fome.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨
Sinto o tempo passar... tão rápido! queima as histórias que não conseguem ser vividas...
e como se fosse uma pessoa que caindo, agarra-se a uma corda que corre pelas mãos, e queima até que as palmas sangrem...
agarro-me ao tempo como fosse tal corda, e sinto queimar a vida... que sangra.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨
Sinto que os sentidos não bastam
Não sinto o cheiro da luz
Nem vejo a cor da música

Sinto que os sentimentos não bastam
pois apesar de tanto sentir...
ainda sinto o vazio.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨
Sinto vontade de ir embora!
ir tão longe
mas tão longe
que talvez até
encontre o caminho de casa...

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨
sinto escorrer pela testa
acumular nas sobrancelhas
rolar pelo nariz
e pingar

sob o sol de primavera
suor.

13 de out de 2008

reverso

se seu verso é triste, meu verso cala, e te abraça.

12 de out de 2008

Domingo

Domingo
Noite quente
Mais uma vez, sozinho.
E o "domingo feliz" parece mais distante.

Hoje a solidão dói mais
na agenda tantos nomes, tantos numeros... tão poucas pessoas
quem me dera ao menos fumar
a fumaça seria minha companheira

http://paulusnotblog.blogspot.com/2008/08/20.html

10 de out de 2008

meu olho é maior do que a boca
e meu coração maior do que o mundo

44

Por amor fiz tanto
desaprendi a ser quem sou
e fui eu mesmo

sonhei

cruzei mares
abandonei meus sonhos
abandonei a realidade

por amor perdoei
por amor aprendi

e por amor
amei


( não é bem isso...)

.....................................


De todas as coisas que fiz por amor
(e não foram poucas, nem pequenas)
a maior de todas
foi amar

( melhor... mas ainda não chegou lá )

7 de out de 2008

43

Eu disse tudo
você não ouviu nada
agora as palavras acabaram
só me resta o silêncio
ouça:

oração

Que eu encontre o caminho de casa

que o meu desejo de silenciar não me impeça de dizer o que tem que ser dito
que eu não ame a solidão mais do que amo estar junto
que a coragem de ir embora seja menor do que a coragem de ficar aqui

que eu tenha coragem
que eu tenha força

que em minhas mãos e pés se formem os calos do trabalho
mas que meu coração se mantenha vulnerável
e meus olhos sejam afiados como facas

que meu sono seja tranquilo
que meus sonhos sejam bonitos
mas não tão bonitos quanto minhas manhãs hão de ser.

e que eu sabia ver a beleza de cada manhã.
e que eu saiba ver a beleza de cada tarde.
e que eu saiba ver a beleza de cada noite.

que eu saiba quando calar
que eu saiba o que dizer

e quando estiver cansado
que eu encontre o caminho de casa.

6 de out de 2008

Parede

Fria e dura é a parede
em comum com você
só a cor dos tijolos, vermelhos!
que roubou para seus cabelos....

lágrima

quando choras
é como a chuva na manhã


(esse fala muito mais para mim do que qualquer pessoa poderá entender... quem sabe se tiver prestado muuuita atanção nos posts anteriores... pode ser.. )

4 de out de 2008

Canção do Gigante ( Oswaldo Montenegro, vulgo Oswaldão)

Quem é que nunca sentiu que o mundo é um gigantee
achou que era fraco, e se achouquase um rato
e que o gatoera o mundo, um gigante malvado
e quem é que coitado n'olhava pra cimaesperando a porrada, o cacete, o esporro,a mijada, a espora, o facão?
Quem é que nunca arregou, nunca teve paúra
e será que alguém jura que nunca tremeu de pavor,de terror, de vertigem, de altura (oh! Que tava no chão!),e quem é o machão que não teve surpresa de ser humilhado igual feio na festa e menino mijão?
Presta atenção!
Quem não perdeu a atenção dos seus pais,quem não foi encarnado depois de uma queda
ou porque era vesgo ou porque era torto
ou se o avô já tá morto, se sente sozinhoou porque é menorzinho ou porque é bobalhão,é pereba ou otário?
E olha presta atenção!
Quem não levou uma surra, perdeu um horário,quem é que jamais teve um sonho esmagado
ou sofreu uma ofensa do melhor amigo e quem é que agora concorda comigo esse mundo é um gigante e a gente é anão?
a gente é anão!
Presta atenção.
Presta atenção

1 de out de 2008

na segunda eu planto a cana
na terça já esta nascendo
na quarta eu colho a cana
na quinta levo para o engenho
na sexta eu faço a pinga
no sábado amanheço bebendo
no domingo minha mão, fala "meu filho para de beber"
nesta sina eu vou, vivendo até morrer!


minha que me ensinou quando eu era bem pequeno ainda... não foi por nada que aprendi a beber.

?

-Melhor ser um cafajeste arrependido do que um babaca íntegro!
disse a voz da experiência...

-será?
disse a voz da poesia.

-sei lá!